Vila do Conde

Adere ao Bloco

Resoluções Mesa Nacional

Cabaz de sardinhas
Notícias
O preço do peixe baixou 50% e as ajudas prometidas pelo governo não vão chegar a todos. O setor da pesca tradicional queixa-se que o dinheiro tem de ser repartido com a pesca de cerco, parada já por razões ecológicas.
Parlamento
Há muitas embarcações paradas em consequência da Covid-19 e muitos profissionais da pesca ficaram sem rendimentos nem qualquer apoio financeiro.
Bloco de apartamentos comprados pela câmara há 23 anos e nunca ocupados
Câmara Municipal
A câmara coloca à venda casas compradas e financiada por dinheiros públicos do IHRU para a habitação social, há 23 anos fechadas.
Freguesias
Os candidatos do Bloco de Esquerda, mais do que fazer grandes promessas e projectos programáticos urge tomar medidas para de facto “ARRUMAR A CASA” de forma a tornar operacional os órgãos competentes da autarquia.
imagem do enroncamento de pedras que protege a estradae as cadsas
Câmara Municipal
Enterrar dinheiro e voltar tudo ao início, é o que chama um círculo virtuoso, em que só os empreiteiros ganham. Não fica mais barato comprar as duas casas e terreno adjacente e recuar a rua? Então porque insistir no erro?
Miguel Vital, mandatário e segundo candidato, acompanhado pelo cabeça de lista B
Eleições
O Bloco de Esquerda concorre às Eleições Intercalares para a Assembleia de Freguesia de Mindelo. Na fotografia os dois primeiros candidatos no ato de entrega das listas, Bruno Maia, 40 anos, técnico de Engenharia Industrial e Miguel Vital, 68 anos, Técnico da Administração Tributária (aposentado).
dois enfatiados a cumprimentarem-se com uma mão e a entregar notas com a outra
Corrupção
Câmara de Vila do Conde investigada por ajustes diretos: «Também a Câmara de Vila do Conde, em fevereiro de 2014, procedeu à “aquisição de bens – loja interativa de turismo” por 52.120 euros, tendo o contrato sido assinado pela presidente da câmara e pelo “gerente” da Tomi World, José Agostinho.»
Logotipo da ROM
Autarquia
NATURCONDE,torna-se a marca registada da incompetência do executivo da NAU p { margin-bottom: 0.25cm; direction: ltr; color: rgb(0, 0, 0); line-height: 115%; background: transparent none repeat scroll 0% 0%; }p.western { font-family: "Liberation Serif", "Times New Roman", serif; font-size: 12pt; }p.cjk { font-family: "Droid Sans Fallback"; font-size: 12pt; }p.ctl { font-family: "Droid Sans Devanagari"; font-size: 12pt; }a:visited { color: rgb(128, 0, 0); text-decoration: underline; }a:link { color: rgb(0, 0, 128); text-decoration: underline; }a.cjk:link { }a.ctl:link { }
José Soeiro no Porto Canal
Parlamento
Apoio do Estado para as autarquias remunicipalizarem a água, atribuir tarifa social automática da água e garantir um consumo mínimo gratuíto por pessoa.
Notícias
É tempo de responder à urgência climática. O primeiro tempo de antena do Bloco é dedicado às nossas propostas sobre o Ambiente. Não queremos remediar, queremos prevenir: não há Planeta B.
Saúde
Moisés Ferreira transmitiu a solidariedade do Bloco com as reivindicações dos médicos na concentração em frente ao Ministério da Saúde.
Bloco em manifestação na rua
Partidos
O Bloco de Esquerda é o único partido parlamentar com “contas prestadas sem irregularidades”, segundo o relatório das contas relativas a 2015, publicado esta semana pela ECFP.
cartaz-anúncio do curso
Iniciativas
A CULTRA organiza o curso “Direito do Trabalho e Lutas Laborais” nos próximos dias 29 e 30 de Junho, na Faculdade de Direito da Universidade do Porto.
Notícias
Um relatório da Rede Europeia de Ação Climática refere que, dos partidos portugueses com representação no Parlamento Europeu, o BE é “um claro campeão” no que toca à defesa do clima, enquanto PSD e CDS-PP alcançam pior classificação.
Imagem do Casino da Póvoa à noite
Iniciativas
Catarina Martins deslocou-se à Póvoa, para transmitir o apoio e solidariedade do BE à luta dos trabalhadores do Casino da Póvoa que tendo sido despedidos, continuam a luta pela sua reintegração.
Símbolo do Bloco 20 anos
Efemérides
Inúmeras vezes classificado como fenómeno passageiro, o Bloco afinal veio para ficar na paisagem política portuguesa. E para a mudar.
Ministro Manuel Pinho na AR
Parlamento
Ou seja, “a EDP não influenciou - ela estava mesmo sentada no gabinete do Dr. Manuel Pinho” através da pessoa de João Conceição que classifica como “um pivô de todo este processo”.
Economia
Mariana Mortágua defende que há um conflito de interesses devido ao envolvimento do governador do Banco de Portugal com a CGD na altura em que a sua administração concedeu créditos de risco injustificados.
Agonia mostra a Passos Coelho o Hospital do sr. do Bonfim
Parlamento
Esta petição teve um único mérito: de acordo com os seus assinantes, ela é claríssima acerca das promessas feitas pelo Governo PSD/CDS, assim como pelas autarquias da Póvoa de Varzim e de Vila do Conde, governadas, à data, por Aires Pereira (PSD) e Elisa Ferraz (PS), para derramarem e transferirem recursos públicos do Estado para o bolso privado dos accionistas da empresa HSB e do histórico militante do PSD, o Sr. Manuel Agonia.
catarina martins na entrevista
Notícias
“O Ministério das Finanças não percebe nada de saúde” “O PS tem, do ponto de vista da legislação laboral, uma visão liberal.” “O governo está a fazer populismo com os professores.” “A Europa deixou de ser um espaço para onde as pessoas olham com esperança.” Esquerda radical, sim. Extrema-esquerda, não Costa, o desbloqueador que espera que os problemas se resolvam por si

Opinião

Os que não gostam do 25 de Abril também não gostam do 1º de Maio. Desiludam-se pois, todos quantos querem esvaziar e anular o sentido duma luta tão global como esta. O 1º de Maio significa uma luta com passado, com presente e com futuro.

O que isto denuncia não é tanto a heroicidade de alguns, é antes a desfaçatez de um mundo que desinvestiu nos serviços públicos de saúde e que hoje pede ao cidadão a mais obscena condição de mártir. Um mártir por um capitalismo que fez quanto pôde para desviar a saúde para o universo privado, sustentada em planos de seguros que simplesmente não prestam nunca o serviço que um Estado presta.

Para os trabalhadores e para a generalidade dos cidadãos as medidas são objectivas, concretas e os sacrifícios impostos. Para a Banca são palavras de sensibilização e apelos à sua suposta responsabilidade social.

de O Navio de Espelhos

Colocar o pagamento de salários, pensões de reforma, ou o fim das taxas moderadoras no mesmo patamar do rombo nas contas públicas que a actividade especulativa e fraudulenta da banca tem causado é no mínimo desonesto. Isto sim é que é um rombo e um roubo.

Pois é, estamos a chegar ao Natal mas a verdade é que não basta, uma vez por ano distribuir uma fatia de bolo-rei e uma refeição de batatas cozidas com bacalhau. É pouco, mesmo muito pouco já que o essencial – ou seja a injustiça e a pobreza – permanecem.